skip to Main Content
Adjunção No CPC – O Que é E Quais As Suas Regras?

Adjunção no CPC – O que é e quais as suas regras?

Entenda o que é a Adjunção no Novo CPC e quais são as suas regras

Entenda como auxiliar seus clientes com maior precisão, de acordo com a Adjunção no Novo CPC!

Lidar com bens, propriedades e patrimônios em geral exige muito cuidado e análise por parte do profissional do Direito.

Muitos são os casos de conflito entre credores e endividados, que perdem o direito sobre os seus patrimônios, justamente, pelo desconhecimento de seus direitos ou ausência de um profissional para o seu auxílio.

Sendo assim, no artigo de hoje, como forma de te munir de conhecimento para um tema comum em processos civis, vamos entender melhor sobre o processo de adjunção e como ele se aplica ao novo Código de Processos Civil (CPC).

O que é a Adjunção?

Adjunção é um ato judicial que tem como objetivo a transferência de um bem ou propriedade de uma pessoa a outra. Tal ação pode ser realizada em um processo de dívida – compensação do credor – ou sucessão – herança.

Quando falamos de adjunção compulsória, neste caso, o ato de transferência dos bens se torna obrigatório, como forma de compensação ao credor da operação.

Sendo, como fica a adjunção no novo Código de Processos Civil?

Adjunção no Novo CPC

De acordo com o novo CPC, o processo de adjunção é tratado como uma maneira preferencial de privação de um bem de um devedor (expropriação), para que, assim, seja transferido ao seu credor.

Como podemos ver em seu artigo 825:

Art. 825. A expropriação consiste em:

I – adjudicação;

II – alienação;

III – apropriação de frutos e rendimentos de empresa ou de estabelecimentos e de outros bens.

Contudo, é importante ressaltar que o devedor ainda pode manter a posse sobre os seus bens, caso execute o pagamento da sua dívida ou recorrendo à sua consignação, como podemos ver no artigo 826:

Art. 826. Antes de adjudicados ou alienados os bens, o executado pode, a todo tempo, remir a execução, pagando ou consignando a importância atualizada da dívida, acrescida de juros, custas e honorários advocatícios.

Subseção I – Da Adjudicação

No entanto, no caso da penhora dos bens, ainda é possível ao credor a posse dos mesmos, caso ofereça valor igual ou superior à avaliação realizada.

Contudo, caso o valor do crédito da negociação seja inferior ao valor dos bens, o solicitante da adjunção deverá, de maneira imediata, depositar o valor da diferença, que ficará a dispor do executado.

Em suma, o artigo 876 traz muitos esclarecimentos sobre o processo de adjunção sobre a perspectiva do novo Código de Processo Civil, contudo, para todos os casos, é necessário um efetivo levantamento das condições da negociação, os bens que foram negociações e demais fatores de influência no processo.

E, para cuidar de tudo isso com máxima precisão, é preciso ter eficiência em sua administração de processos, ato esse que pode ser conquistado somente com o foco total em sua operação, deixando que a sua administração financeira, contábil e fiscal fique sob a gestão de um escritório de contabilidade especializado em advogados e escritórios de advocacia.

Portanto, caso queira saber mais sobre como nós, da Audicor, podemos te ajudar!

Acesse agora mesmo a nossa página: Contabilidade para Advogados e descubra tudo o que podemos fazer por você!

Back To Top
Open chat