skip to Main Content
Tributação Para Advogados – Entenda Melhor A Sua Carga Tributária E Como Geri-la Com Eficiência

Tributação para Advogados – Entenda melhor a sua carga tributária e como geri-la com eficiência

Entenda melhor como funciona a tributação para advogados e saiba como geri-la com eficiência!

Na vida tudo são escolhas… Mas, nem sempre as escolhas que fazemos são as mais assertivas e proveitosas, concorda?

Da mesma forma, muitas vezes, a escolha errada ou menos indicada para tributação de advogados pode fazer você pagar MAIS do que poderia, e isso acaba fazendo com que você tenha mais despesas do que o necessário!

E chega de ter que pagar mais do que deve, não é mesmo?

Essas consequências de fazer escolhas ruins são sempre péssimas, ainda mais quando envolve dinheiro e quando é o bolso quem sente. Afinal de contas, cada “gota de suor de seu rosto” tem anos de estudo, anos de investimentos e anos de dedicação… O mínimo que se pode querer é ACERTAR NA TRIBUTAÇÃO PARA ADVOGADOS!

Portanto, NOSSA CONTABILIDADE PARA ADVOGADOS te mostrará o caminho!

Tipos de tributação e seus diferenciais para os advogados

Primeiro, como pessoa jurídica, você sempre tem mais vantagens do que atuando como um advogado autônomo. Isso é comprovado pelas próprias alíquotas tributárias, onde o valor resultante sempre é maior quando se é advogado pessoa física.

Agora, vejamos as sutis diferenças!

Simples Nacional para Advogados

O Simples Nacional é um sistema tributário que, como o nome já informa, é um dos mais simples e integrativos.

Ele surgiu no intuito de facilitar a vida dos empreendedores de vários nichos, a incluir os advogados.

Foi criado em 2006 como uma Lei Geral para Micro e pequenas empresas, através da LC 123/2006.

Um dos maiores objetivos do Simples Nacional é estimular as atividades econômicas de diversos negócios, e nisso se incluem escritórios de advocacia e advogados que querem passar de autônomos para pessoas jurídicas como forma de reduzir suas cargas tributárias.

Nesse tipo de regime tributário é incluída uma base de cálculo, de acordo com a Tabela do Simples Nacional, sendo os impostos:

  • PIS.
  • COFINS.
  • IRPJ.
  • CPP.
  • ISS.
  • ICMS.
  • IPI.

As alíquotas variam de acordo com o faturamento do escritório de advocacia, sendo excelente para aqueles que estão iniciando, pois, as cargas tributárias são geralmente menores e só aumentam ao longo do tempo e do faturamento.

No entanto, SOMENTE COM UM CONTADOR PARA ADVOGADOS se saberá se é o melhor para seu escritório.

Lucro Presumido para Advogados

Nesse caso, o faturamento do advogado deve ser estabelecido abaixo de 78 milhões de reais, anualmente falando.

Quando se fala em Lucro Presumido se destaca, aqui, a condição onde a Receita Federal presume o quanto de faturamento um escritório de advocacia tem e, com essa base, outras alíquotas são geradas para base de cálculo.

Portanto, os percentuais das alíquotas podem ser dar desde 1,6% de aplicação na base de cálculo até 32%, a depender do faturamento e de outras incidências.

É preciso destacar também os fatores de alíquotas com base no IRPJ (variação de 15% a 25%) e CSLL 9%, havendo incidência por trimestre.

Mensalmente, a alíquota do PIS será de 0,65%, com COFINS de 3%, (ambos são calculados de forma cumulativa), ISS entre 2,5% a 5% e, em alguns casos, de comércio e indústria, aplicação de IPI. Havendo também, pagamento de 20% de INSS sobre a folha de pagamento.

Portanto, o Lucro Presumido para advogados pode ser uma excelente opção, em alguns casos, mas SOMENTE COM UM CONTADOR PARA ADVOGADOS é preciso saber se realmente, nesse caso, será o melhor para você!

Lucro Real para Advogados

Existe também esse outro tipo de regime. Nesse caso, a incidência da alíquota recairá sobre o Lucro Real, independente se num mês se faturou mais ou menos. Sendo calculado mensalmente ou trimestralmente.

Aqui, vale destacar que a receita bruta deve ser maior do que 78 milhões de reais por ano.

Nesse tipo de regime as incidências de alíquotas são:

  • IRPJ – 15%.
  • CSLL – entre 9% e 12%.

Observação: no entanto, caso não haja lucro ao final do balanço esses dois tributos possuirão isenção de pagamento.

  • PIS e COFINS – Entre 1,65% a 7,6%.
  • Entre outros custos, a depender do modelo do negócio empresarial e da prestação de serviços advocatícios.

Portanto, venha conversar conosco e DESCUBRA QUAL O MELHOR TIPO DE REGIME PARA VOCÊ E SEUS NEGÓCIOS!

Back To Top
Open chat